2011-05-02

Carta de amor do dia seguinte que está por vir. Segunda feira depois de um domingo qualquer. Futuro.

Oi, fulana.
Esta não é uma carta de amor, mas é ridícula como se fosse uma carta de amor. É melosa como uma carta de amor e até você ou nós podemos confundir com uma carta de amor.         
Antes de qualquer dito, por mim escrito, preciso admitir, que escrever é um ofício que carrego comigo, como coisa que me compõe. Vou tentar, por tanto, ser aqui o mais eficiente possível, tentando não deixar nenhuma dúvida sobre os motivos que me levam a querer escrever essa carta, que poderia ser de amor, mas por razões que a própria razão desconhece, não é uma carta só de amor.

Mexer com o sentimento do coração é apontar uma arma para própria cabeça.

                Eu poderia dizer todas as belezas que fazem de você a mulher mais interessante que conheci nos últimos anos, mas não ficaria bem e a lista ocuparia tantas paginas que logo você se enojaria de si mesma já que seriam tantas qualidades. Talvez, você agora esteja pensando que estou exagerando. Sim, exagerado, exagerado, exagerado, sim! Tenho um bom motivo pra isso, para dizer aquilo que por natureza é indizível, somente usando desta ferramenta, que condensa tudo que sinto desde o primeiro dia que lhe conheci. O exagero nesse caso é inevitável. Você ainda não tem consciência total de si mesma, falta-lhe a experiência que só os anos trazem, junto com as rugas, claro. Penso e tenho certeza, você se tornará, muito em breve, uma mulher divinamente interessante para ter por perto. Este é o assunto desta carta.
               Ver você. Ouvir você. Olhar de perto. Quase me transbordou. Apaixonei-me inevitavelmente, em silêncio, ao seu lado. Não poderia ser diferente. Desde já, digo: isso é problema meu! Você não tem na da haver com isso! Por isto não se trata apenas de uma carta de amor.
                Porque um homem se apaixona por uma mulher? Ou melhor, porque eu me apaixonei por você? É uma reposta complexa, mas vou tentar. Tem haver com o potencial que você carrega dentro de si, de sensibilidade, de inteligência.  Isso tudo tá no teu olhar, no teu corpo, na tua maneira de ver o mundo, no teu modo de pensar, mas principalmente pelo fato de você agora parecer um pouco perdida e somente perdidos é que podemos nos encontrar, quando isso acontecer com você, que tem todo esse potencial, eu adoraria estar por perto, bem perto, dentro. Não tenho duvida da belíssima borboleta selvagem que sairá desse casulo. Isso é brega, eu sei. Foi a melhor imagem que pude encontrar.

Um sábio chinês sonhando que era uma borboleta
Ou uma borboleta sonhando que era um sábio chinês.

         Eu poderia ter escrito esta carta em qualquer momento desde quando nos conhecemos, mas eu, sobre tudo naquela época, depois de passar por tantas coisa na vida, tenho sido mais cauteloso. Agora, nesse instante, deixo a cautela de lado e abro meu peito. Quando lhe vi pela primeira vez, só não me apaixonei por você, por que estava passando por um dos piores momentos da minha vida, mesmo assim, olhei pra ti e pude ver tua alma. E que alma você tem. Depois, tudo que eu vi e convivi só serviu pra confirmar minhas suspeitas. Ouvindo você cantar, eu percebi que seria bobo se eu não deixasse esse troço acontecer. Acima de tudo, respeito nossa amizade, então tudo isso que estou lhe dizendo, só não é de fato uma carta de amor, por que você não vai precisar decidir nada, não é um pedido de namoro. É tão somente um elogio. Um carinho que lhe faço, para que você saiba que estou e estarei torcendo por você. Demonstra também que meu interesse vai além de amizade. Tudo isso eu estou dizendo por que sei que posso fazer você feliz e tenho certeza que tenho muito pra aprender com você. Então se quiser pode se apaixonar por mim. Eu vou corresponder. Faz tempo, uns 15 anos, que não me assinto assim, tão cheio de si e devo isso a você. Estar apaixonado é bom, me parece uma dor fina. Suspiro de vida em mim que já me achava morto.
                Apesar de você fazer um mal juízo de mim, em relação às mulheres, que não é totalmente mal e nem tolamente verdadeiro, gostaria que você soubesse que não sou tudo que digo e nem faço tudo que falo, sou apenas um pequeno bufo, pronto para destruir as amarras, um macaco. De resto sou apenas um homem querendo encontrar um lugar pra si.
                Espero que essa carta, apesar de falar de amor, de paixão, não é uma carta de amor, só de amor não, não mude nada entre nós. Não se sinta intimidada, nem tão pouco obrigada. Seja o que você é que pra mim já basta. Mas se o contrário acontecer, se essa carta, que pode ser de amor, ridícula como devem ser as cartas de amor, de algum modo mexer com você, fazer você pensar, quem sabe me desejar, solte-se, você sabe onde me encontrar.

Bom dito isso, lhe envio e espero que não seja cedo demais nem tarde demais. Então, sedo.
Oh! Manhã dos inicios!

Essa carta não se destruirá automaticamente.

Beijos com carinho.

2 comentários:

Anônimo disse...

Bonito. Como entender esse seu coração? Como entender?!!! O que se passa aí dentro?

Fernando Lopes disse...

Batidas. Para entender é como pular corda, tem que saber a hora de entrar.